Sem problema – a resposta é o Chiron, o Bugatti de 1.500 cv, R$ 9,6 milhões, irmão mais novo do Veyron. Antes das pessoas se acotovelarem para vê-lo no Salão de Genebra, tivemos a exclusividade de conhecê-lo no quartel-general de Molsheim.

Por Ben Miller | Edição Alan Magalhães | Fotos John Wycherley

Chiron_7

Quanto mais se mudam as coisas, mais iguais elas ficam, e no mundo endinheirado e exclusivo da Bugatti, velocidade e luxo significam apenas: aquele motor. Por enquanto, o Chiron, responsável por embaraçar o Veyron e que só terá 500 unidades disponíveis ao preço de R$ 9,6 milhões (na Europa), pode ser considerado um novo carro por vários indicadores (monocoque, montagem, desempenho, dinâmica), incluindo um velho amigo instalado ali atrás no seu berço de fibra de carbono.

Chiron_6

O dia do juízo final do Chiron veio bem antes da saída de Ferdinand Piëch do Conselho do VW Group, antes do ‘dieselgate’. Era maio de 2012 quando importantes diretores se reuniram na Espanha para análise final e assinatura de diversos programas. Num duplo tom de azul Atlantic e alumínio polido, o protótipo Chiron aguardava a aprovação de Piëch, exatamente o mesmo executivo controverso que havia tirado o Veyron da obscuridade uma década antes. A má notícia? Piëch estava furioso com o desenho da frente e ordenou mudanças. A boa notícia? O motor deveria entregar o número redondo de 1.500 cv, cerca de 305 cv a mais – velocidade final de 430 km/h, 0 a 100 em 2,5 s – em relação ao Veyron Super Sport. Graças ao motor VW W16 aparentemente ilimitado na busca por potência, o pessoal de Molsheim pode embarcar uma nova era da engenharia do desempenho.

Chiron_3

Essa potência absurda é cortesia de alguns truques herdados dos ‘hot-rods’. 1,4 kg foi aliviado do peso do virabrequim, facilitando o acionamento das bem mais resistentes 16 novas bielas de titânio que suportam a pressão gerada pelas quatro turbinas maiores (cerca de 30%) em relação às do Super Sport. Essas novas dimensões, que normalmente geram muito ‘turbo lag’ (hesitação na resposta) exigiram a instalação de motores elétricos na admissão que simplesmente desligam duas turbinas, uma de cada lado em baixos regimes para melhorar as respostas, liberando-as quando a potência máxima é exigida (pressão de 1,85 bar), hora em que o demônio assume as ações. Novos dutos mais largos de admissão e escape feitos em fibra de carbono e titânio, além de cortarem peso, trabalham para permitir o melhor fluxo possível às câmaras de combustão. A potência aumentou, assim como o torque, com 163,1 kgfm, coisa de dar nó nas tripas, disponíveis a apenas 2.000 rpm.

Chiron_2

Para cada ação há uma reação, como dizia aquele professor de física no ensino médio. Basicamente a transmissão do Chiron é a mesma Ricardo DCT (dupla embreagem) de sete marchas que ganhou desenvolvimentos (novos garfos, anéis, sistema de lubrificação revisto e novo fluido adequado para interagir com a fibra de carbono), já que o câmbio agora ganhou uma coroa maior, juntas universais reforçadas e semieixos mais parrudos. A embreagem reforçada de seis discos, depois de cerca de 480 mil quilômetros de testes e várias arrancadas com o controle de largada acionado, que consumiram uns 200 jogos de maravilhosos pneus Michelin, provou que está mais que ajustada à solicitação. O diretor de produção da Bugatti, Christophe Piochon, teve que adaptar o dinamômetro de rolos da oficina de desenvolvimento da Bugatti, instalando várias cintas e presilhas nas paredes para garantir que a fera não sairia voando dali. Mais uma inspiração ‘hot-rod’.

Chiron_4

O chefe de engenharia Willi Netuschil e seu time de técnicos são confiantes ao afirmar que o Chiron também superará o Veyron na resposta linear e do acelerador. “Sem turbinas sequenciais a hesitação poderia ser muito grande, inaceitável”, explicou Netuschil. “Com elas a resposta é muito rápida e completamente linear – cada mudança no ângulo do pedal do acelerador gerava um ganho de potência correspondente. No gráfico vê-se uma mínima oscilação entre as fases das turbinas, mas imperceptíveis na prática”.

Mas ele passa a sensação da velocidade?…

VEJA MATÉRIA COMPLETA NA CAR 76. JÁ NAS BANCAS E NA LOJA ONLINE!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s