Car Magazine Car Magazine

Alternativa ao Halo da F1, Aeroscreen da IndyCar tem seu primeiro problema

Na etapa de Indianápolis, a falta de ventilação, o calor acumulado e o chamado "efeito-lupa" provocaram queimaduras e reclamações dos pilotos.

RaceCar

Ao contrário das categorias de monopostos supervisionadas pela FIA (Federação Internacional de Automobilismo), que utilizam o Halo como sistema de proteção dos cockpits, a IndyCar decidiu adotar o Aeroscreen em seus carros, um dos projetos rejeitados pela entidade, que não regulamenta o campeonato norte-americano.

Porém, na etapa disputada no último fim de semana no traçado misto de Indianápolis, o Aeroscreen apresentou seu primeiro problema funcional – e não tem nada a ver com sua função, que é proteger o piloto de possíveis impactos. A falta de ventilação, uma vez que o acessório é vedado, somado à localização dos radiadores nas laterais do carro, acabou gerando um superaquecimento dentro dos cockpits.

Outro elemento que conta é o chamado “efeito-lupa”, onde a luz sofre uma refração, trazendo o foco da luz para um ponto central. O “Aeroscreen” é composto por um material chamado Opticor, da empresa PPG, um tipo de plástico de alta performance e com uma visão que não deforma, feito para a indústria aeroespacial.

O aquecimento do cockpit foi tão notório que acabou exemplificado pelas mãos do piloto Colton Herta após uma sessão de treinos livres no templo do automobilismo local: vermelhas, queimadas e com bolhas. E não foram poucos os casos dos pilotos colocarem as mãos para o alto durante a corrida para tomar um ar quando estavam na área dos boxes.

Segundo o tradicional jornalista Marshall Pruett, da revista especializada Racer, “conduzir um carro de mais de 800 kgs com mais de duas toneladas de pressão aerodinâmica, sem direção hidráulica e fritando como um ovo por causa do Aeroscreen faz até o mais forte dos pilotos implorar por piedade.”

Pruett associa esse caos ao que vitimou a Grand-Am Rolex Series em 2010, quando os protótipos fechados com radiadores frontais trabalhando próximos dos 100ºC causaram sérios problemas aos pilotos na etapa de New Jersey, que desmaiavam e vomitavam por conta das altas temperaturas. Na ocasião, a categoria não fez nada – como introduzir ar condicionado e outras facilidades, fazendo os pilotos fugirem e levando o campeonato ao seu fim em 2013.

Ou seja, além da questão da segurança, a qual o Aeroscreen cumpre sua função, existe a questão do conforto: pilotos não querem ser cozinhados dentro do carro. Com isso, a IndyCar precisará adotar uma solução rápida para que isso não traga mais problemas em etapas mais quentes – o que será padrão pelos próximos meses, uma vez que estamos no verão do Hemisfério Norte.

Seria a IndyCar o primeiro campeonato de monopostos a apresentar ar-condicionado para seus pilotos? Criar pequenas entradas de ar no aeroscreen (como aquelas que podem ser vistas em carros da Stock Car, por exemplo) pode tornar o sistema menos eficiente em caso de pancadas. Na verdade elas até alertaram as equipes para terem sistemas de arrefecimento em seus carros, mas, pelo jeito, teve adesão zero até o momento. Resumindo: eles estão com uma batata bem quente nas mãos para resolver.

Quente não, fervendo!

MELHORES MOMENTOS DA ETAPA DE INDIANÁPOLIS, VENCIDA POR SCOTT DIXON

GALERIA DE FOTOS

Car Magazine Car Magazine