Car Magazine Car Magazine

F 200 Imagination antecipava o futuro

Carro-conceito causou sensação no Salão de Paris em 1996: joysticks, drive-by-wire, cockpit widescreen, conexão com a internet, airbags de janela e faróis com distribuição de luz variável eram algumas das tendências apresentadas

Car

Em outubro de 1996, a Mercedes-Benz apresentou no Salão do Automóvel de Paris um conceito quase inimaginável para a época, o F 200 Imagination. Hoje, muitas das tecnologias apresentadas se tornaram parte da vida cotidiana dos modelos de produção, ressaltando a importância do trabalho de pesquisadores e desenvolvedores que pensam constantemente nos veículos de amanhã, redefinindo continuamente possibilidades e limites. O carro-conceito original está em exibição na seção “Fascinação da Tecnologia” do Museu Mercedes-Benz em Stuttgart.

“Os computadores controlam os movimentos de um carro”, “os sistemas eletrônicos substituem as ligações mecânicas”, “a segurança de condução ideal em todas as situações”: foram essas e muitas outras declarações usadas para comunicar o F 200 Imagination. Sua característica mais evidente era não ter volante. O motorista o controlava com a ajuda de dois joysticks e podia escolher se usava a mão direita ou esquerda. Uma foi montada no painel da porta e a outra no console central. Além disso, o passageiro da frente poderia assumir a qualquer momento, porque um terceiro joystick estava localizado no acabamento da porta direita.

O modelo original está em exibição no Museu Mercedes-Benz, em Stuttgart

A pré-condição para tudo isso era o “drive-by-wire”: os conjuntos principais, como a direção, não eram operados por conexões mecânicas, mas por meio de atuadores eletrônicos, elétricos e mecânicos. Os comandos do motorista são reconhecidos pela eletrônica como um desejo por um determinado estado de condução — aceleração, frenagem, direção, ré — e os sistemas então decidem a melhor e mais segura maneira de cumprir os comandos do motorista. Cada ação depende da situação, pois o computador usa informações de vários sensores que fornecem detalhes sobre a velocidade do veículo, rotações das rodas e do motor, condições da estrada e movimento da carroceria, entre outras informações.

O sistema de exibição no F 200 Imagination pode não ter sido oficialmente chamado de cockpit widescreen em 1996, mas a semelhança com o interior da Mercedes-Benz de hoje e com o MBUX é impressionante: monitores coloridos foram montados em toda a largura do cockpit. Eles exibiam os instrumentos do veículo e todas as notificações, bem como o computador de bordo. Os monitores também exibiam os sinais das câmeras de vídeo que foram instaladas no lugar dos espelhos retrovisores internos. Nos monitores eram exibidos telefone, sistema de navegação, rádio, aparelhos de CD e DVD. O som podia ser transmitido para fones de ouvido sem fio para o passageiro da frente. O nível de informatização neste carro-conceito foi significativo: até mesmo a conexão com a Internet, incluindo o telebanco e a reservas digitais de hotel.

O sistema de exibição no F 200 Imagination se assemelha com o sistema MBUX usado hoje pela Mercedes-Benz

Só com a tecnologia drive-by-wire que sistemas, como o Mercedes-Benz DRIVE PILOT, podem existir: em determinadas situações, o condutor pode relaxar e o automóvel continua a conduzir de forma altamente automatizada. Nesse sentido, o F 200 Imagination foi pioneiro na direção autônoma há 25 anos.

O F 200 Imagination ofereceu outras inovações que agora estão bem estabelecidas. Por exemplo, o sistema de faróis com distribuição de luz variável, airbags de janela, suspensão Active Body Control, reconhecimento de voz para telefones celulares, teto panorâmico eletro-transparente e freio de mão acionado eletricamente. Todas as tecnologias mencionadas, mesmo que diferentes, estão disponíveis nos modelos de produção da Mercedes-Benz, algumas delas já há muitos anos.

O motorista o controlava o carro por meio de dois joysticks e podia escolher se usava a mão direita ou esquerda

Car Magazine Car Magazine